• Fechar Menu
  • Sofia Moura

    Responsável de Supply Chain

    No fundo sou uma apaixonada pelo Gardengate Group...

    Pode por favor apresentar-se, Sofia?

    Sofia Moura, moro em Guimarães, tenho dois filhos. Sou engenheira de produção e desempenho a função de Responsável pelo Dep. de Supply Chain.

    Há quanto tempo colabora aqui no Grupo?

    Há 14 anos, comecei pela área de Projeto, seguindo para o Serviço a Cliente, depois passei à Direção Fabril, mais tarde a Adjunta do Diretor de Operações até chegar a Responsável pelo Dep. de Supply Chain.

    O que faz uma Responsável do Departamento de Supply Chain?

    A principal atividade passa por provisionar as necessidades de materiais para a produção, o armazenamento dos mesmos e do produto final e a sua expedição, de modo a garantir a entrega das encomendas dentro dos prazos acordados. A estrutura de Supply Chain é recente na empresa, e ainda está em construção.  A missão da minha equipa começa com a colocação das encomendas pela equipa de Serviço a Cliente, Planeamento Macro, seguido de Compras e Expedição dos nossos produtos. O nosso foco é gerir expectativas do cliente, mantendo bons níveis de serviço.

    Quais são os pontos positivos de trabalhar no Gardengate Group?

    O facto de ser um Grupo com espírito de crescimento é inspirador. Nos últimos 14 anos temos conseguido transformar dificuldades em desafios. O Gardengate Group está apostado em melhorar as competências dos colaboradores e em melhorar as infraestruturas de forma a proporcionar um crescimento sustentável a todos os níveis. No fundo sou uma apaixonada pelo Gardengate Group.

    Como descreve a sua equipa?

    Uma equipa exigente. Que todos os dias enfrenta novos desafios. Tem um papel de grande relevo na Organização, pois trabalha diretamente com Clientes e Fornecedores. Internamente, interage com todos os departamentos e as unidades fabris.

    De que forma inspira a sua equipa?

    Tento dar o exemplo. Tento transmitir-lhes que tudo se constrói, e as coisas não surgem do nada. Informo a equipa dos objetivos gerais do Grupo e específicos do Supply Chain. Hoje estamos neste ponto, mas também tento-lhes demonstrar onde pretendemos estar daqui a 4 anos. Passar-lhes toda a informação corporativa e incutir a visão e missão da empresa na sua plenitude. Quero uma equipa proativa e com capacidade critica. Só assim podemos progredir.

    Qual superpoder gostaria de ter?

    O poder de acabar com o sofrimento humano provocado por guerras e injustiças.  Outro superpoder seria controlar as alterações climáticas.

    Uma qualidade e um defeito…

    Sou corajosa e aventureira. O defeito que me apontam é estar sempre a pensar no futuro, que planeio em demasia.

    Tem alguma mania?

    Não sei se será mania, mas gosto de ser a primeira a chegar ao escritório.

    Tem algum talento escondido?

    Eu antes de enveredar pela engenharia eu estudei Artes e Design e a pintura e desenho são de facto umas das minhas paixões.

    Tem algum hobbie?

    A leitura e o yoga.

    Qual o último livro que leu?

    Sombras do Vento, de Carloz Ruíz Zafón.

    E qual o que mais a marcou?

    Na minha adolescência foi “Os filhos da droga”, de Christiane F., e acho que todos os adolescentes deviam ler. No ano passado, pediram-me para apresentar um livro na escola da minha filha mais velha, e eu apresentei-o, e os miúdos ficaram todos muito curiosos, com a história do livro, pois abre a visão para a problemática das drogas. Como uma criança com 12 anos se envolve nesse mundo e todas as dificuldades que se depara para conseguir sair.

    Tem animais de estimação?

    Tenho um gato e um cão. A Diksy e o Riscas.

    Qual o seu prato favorito?

    Eu gosto muito de comer. Cozido à portuguesa!

    Qual o filme que mais a marcou?

    “A vida é bela”, do Roberto Benigni.

    Qual a sua viagem de sonho?

    Fazer o Trail do Oriente.

    Com que personalidade gostaria de jantar se pudesse?

    António Guterres, o secretário-geral da ONU, perceber os desafios com que lida e o que de mau se tem deparado.

    Em criança o que queria ser quando fosse grande?

    Arquiteta.

    Qual a melhor invenção do ser humano?

    Em termos humanistas acho que uma das mais intrigantes é a organização das diferentes civilizações. Como chegamos a este sentido e não a outro caminho. Como há países organizados de uma forma e outros de outra. A nível tecnológico a comunicação sem fios e a internet são das mais fascinantes.

    Tem algum lema de vida?

    Superação!

    Na sua vida tem as portas abertas a…

    À mudança. Ao desafio. Estou sempre à procura de algo novo para fazer. Gosto muito de trabalhar com pessoas. Mas também sou muito focada no cumprimento de objetivos que nos levam passo a passo ao sucesso. E tenho portas abertas a boas pessoas.